segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Experimentos e as felizes coincidências

Eis que no dia anterior ao jantar (que bela noite, gracias amigos!) de Ano Novo na casa dos Simon, naquele mesmo cenário, diante das crianças a se esbaldarem na piscina, as mulheres teciam uma colcha inteira de retalhos sobre a vida. Pelo menos três gerações reunidas, uma infidável pauta, inesgotáveis histórias de vida, um prato cheio para a recém-chegada ao grupo. Não perdia um só detalhe do que ouvia, embora meus olhos escapassem, vez ou outra, para a minha pequena serelepe dentro d'água.
O patriarca, de livro em punhos, mergulhado em Cem anos de solidão (Gabriel Garcia Márques) fazia breves incursões sobre determinados assuntos. Homem de firmes posições, mente lúcida e bem humorada que não perde a chance de contar bons causos extraídos do trabalho desbravador como engenheiro (construindo estradas) ou da vibrante trajetória sobre a qual ergueu os alicerces de sua vida e de sua generosa e numerosa família. Empresta sabedoria e acolhe em declarado afeto a todos. As quatro mulheres da casa, assim como as filhas e netas que vivem fora e agregados. A matriarca precisamente ( e preciosamente) talhada para o posto completa as lembranças, corrige uma ou outra falha cronológica das narrativas as quais abrilhanta, como musa, heroína de carne e osso, a companheira desde sempre.
Ela e a filha (a que me trouxe para o prazeroso convívio com os Simon, por intermédio de nossas pequenas Isabelas) me proporcionaram a então feliz coincidência para o início das experiências que faz tempo ensaiava.
Ao declarar meu gosto pela obra de Isabel Allende (jornalista que se lançou ao universo literário em 1982) a Sra. Simon e a filha começam a despejar seus títulos sobre o sofá da sala. O reino do dragão de ouro (esse eu quero também!) A soma dos dias, Hija de la fortuna (em espanhol, adquirido na temporada da filha na Espanha) e Afrodite, o que me fez ter de conter o impulso de pedi-lo emprestado. Esperei o momento certo, afinal não são todas as pessoas que têm o desprendimento de deixar seus livros sob a tutela de terceiros. Contei que descobri Isabel Allende pesquisando sobre cozinha regional, pratos exóticos, sobre a relação da comida com a sociedade e a história. E que, embora aquela obra, Afrodite, me despertasse maior apetite do que A casa dos espíritos, não era a hora de mais investimentos. Início de ano é sempre aquele aperto, matrícula dos filhos, impostos, faturas do Natal e de raros escapes para um lazer salutar de recesso.

Como quem oferta um prato de sua mais apurada culinária, a filha me entrega o livro nas mãos e diz para degustar mais os contos do que as receitas (afrodisíacas) do conteúdo que me apetecia. Tem razão a minha amiga, de destino preparado pelas mãos de um chef (por mais amargos que certos ingredientes pareçam, podem dar imensurável sabor à vida, se soubermos aproveitar e ela soube) sobre a função deste valioso livro que tenho em mãos. Devorei dois contos e fui para a cozinha temperar um suculento pedaço de pernil suíno com um líquido inspirado em algo que, há alguns anos, provei sobre lulas gratinadas, no litoral paulista: o molho Gengiskan, feito à base de maçã verde, gengibre e shoyu. Sua consistência original é mais pastosa, mas quis regar a tenra carne, então acrescentei um tanto de água para diluir o molho. Refrescante, aromático, aguçador de todos os sentidos. Tudo batido no liquidificador (meia maçã verde, um pequeno pedaço de gengibre sem casca e duas colheres das de sopa de shoyu). Depois de temperado com sal, limão e alho, reguei o pedaço de carne utilizando esse caldo e levei ao forno. A cor fica de um bronze mais escurecido, mas sem ressecar. Carne macia e saborosa, leve e estimulante. Umas folhas de hotelã para decorar o prato e raspas de gengibre, se quiser deixar uma pista sobre o segredo do prato. Não segui receita nenhuma, nem do livro, nem a que guardei do molho servido com as lulas. "As pessoas que ganham a vida com esforço e rezam escondidas, como você e eu, improvisam o melhor possível entre as panelas e entre os lençóis, aproveitando o que se tem à mão, sem pensar muito no assunto e sem muita pompa, agradecidas pelos dentes que restam e pela sorte imensa de ter a quem abraçar", argumenta Isabel Allende sobre o porque escrever Afrodite.
Prometo mais receitas e prosas para os próximos posts. Ah, se vou assistir Julie & Julia? Não perco por nada. Li a entrevista com Julie Powell na Marie Claire e fiquei com aquela sensação que temos de já ter ido a algum lugar, visto alguma cena ou ouvido algo. É que, quando criei esse Bom Bocado, há mais de dois anos, a ideia era colocar nele minhas vivências e sobrevivências, com letras e panelas. Tinha, ainda, a minha cozinha saudável de educação nutricional (Sinhá Saúde) para crianças em uma rede privada de ensino, em Florianópolis, e sonhava partir dela adiante, nesses trilhos. Não sei se na cozinha ou no teclado, quem sabe nos dois, retomo esse caminho. Já calcei meus sapatos de Dorothy.

7 comentários:

Aline Cabral Vaz disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Aline Cabral Vaz disse...

Oi Nega!!! Feliz ano novo! Depois de uns dias longe do computer, voltei e te encontrei cheia de posts novos. Muito legal, vê se mantém o pique! Beijos.

Christiane Santoro Balbys disse...

Line, minha amiga e incentivadora da blogosfera, obrigada! Um ótimo ano pra você também, cheio de boas surpresas, muita saúde e amor, trabalho e prosperidade.

Anônimo disse...

Oi amiga, amei o texto e adoro a Casa Simon também, muita gente, muita conversa, uma delícia. Lindo texto.

Bembi disse...

Nega, adoro gente. Gente como a gente! hahaha, gente que vive, que ri e chora, e segue tecendo a colcha de retalhos da vida.

Você é minha amiga "tuda", presentão de 2009, um dos retalhos lindos que queremos guardar.

Só que você é o retalho vermelho, cheio de vida, cheio de amor!

Beijo,
Bebé

isagasperin disse...

Mãe estou louca para dar uma espiadinha nesselivro me parece bem legal!!!!!

isagasperin disse...

Mãe estou louca para dar uma espiadinha nesselivro me parece bem legal!!!!!